domingo, dezembro 10, 2006

Descobri perdidos mais alguns textos escritos nos anos 80, achei por bem dar-lhes a luz do dia. Um dia quando partir, de mim restam as palavras e as memórias…
e dizem assim as palavras...
Algures grita uma criança
Algures uma outra estende a mão magra
Algures uma outra ainda agoniza ao sol…
Ao longe num outro continente decorre uma festa
Ao longe come-se. Bebe-se. Divertem-se os inconscientes.
Ao longe planeia-se mais um fim-de-semana a dois.
Ao longe suas excelências os todos poderosos
Evitam falar nas crianças que estão algures morrendo
Distantes drogam-se os ociosos da vida
E eu?
Embriagado de angustias. Persistentemente lúcido até á exaustão
Demasiadamente vivo até ao último suspiro
Estremeço com tudo isto.


20/09/84
Fotografia Google

7 comentários:

Morgaine disse...

Incrivelmente adequado para esta época em que se aproma o natal e onde se cometem os mais disparatos exessos e são visiveis as diferenças entre os consumistas inveterados e os pobres que andam nas ruas.. Infelizmente.. é por isso que ás vezes entristeço nestas alturas. É difícil fecharmos os olhos ou olharmos só para o nosso próprio umbigo quando nos lamentamos por coisas futeis.
Beijos

APC disse...

Porque às vezes temos os longes todos perto, cá dentro...
Há 22 anos!... Longe no tempo e tão presente!...
Lembrei-me de ti hoje ao editar o meu texto natalício final, dissera-te que o terminaria indo ao encontro do comentário que me deixaras: o de que o Natal está em cada um de nós. Assim foi. Assim é.
Um grande-grande abraço para ti, meu querido marinheiro da vida.

MARIA VALADAS disse...

Mais um texto escrito com grande sensibilidade!
Gosto de aqui vir...
Uma boa semana para si!

Maria

tb disse...

Excelente a sensibilidade que revelas neste texto. A crueza de um mundo de grandes assimetrias...e o olhar atento de quem sente! Tão apropriado a um conto de natal...este o da realidade vivida, não o que querem dele fazer!
Beijos de mar..

DaNii MalukÅ disse...

Oi Amigo ..... sou nova por aqui e entrando nos blog achei o teu blog ..... Eu sou muito fã destes blog com mensagens, porque quando faço algum para mim eu tbm faço deste jeito com mensagens minhas, de outros autores ou quando acho num blog legal ... Gostaria de saber se eu achar um texto legal aki eu posso por no meu ??? saiba que sempre colocarei os créditos...Adorei os que eu li, vou terminar de ler agora...rs
Beijão, sempre estarei passando por aki.... ;-)

Ana Luar disse...

Ocorre-me este meu poema....

*
*
*
Tenho em mim, a obsessão,
De ouvir, vozes caladas,
Vozes sofridas,
Amarguradas
Vozes, em pausas dilatadas,
Tristemente, silenciadas,
Por uma justiça, desapiedada,


Vozes de:
De meninos violados
De velhos desamparados
Mulheres, com sonhos quebrados
Homens duros, obstinados


Vozes, que dissipam em surdina ,
uma postura, entristecida,
De quem se encolhe, e silencia.


E, nesta descontinuidade, da fala,
A humanidade, é fria, gelada
Barbaramente ensanguentada
Por consciências, sufocadas

São muitas, as vozes que falam,
De atulhadas cobardias
São palavras inexistentes
Das vozes da hipocrisia.

"E viva @ liberdade!"

Beijo eterno marujo amigo

mar... disse...

os corações estão fechados... sinto vontade de chorar, porque o mundo propicia desumanamente uma grande luta interior para que sejamos diferentes e não é fácil!
te admiro...