quarta-feira, junho 21, 2006

QUERO FALAR-TE


Quero falar-te do que poderíamos ter sido e não fomos
Quero falar-te do que poderíamos ter acontecido e não aconteceu
Quero falar-te do que queríamos e não tivemos
Quero falar-te do que podíamos ter falado e estivemos mudos…
Quero falar-te dos beijos que não demos…
Quero falar-te da música que queríamos ser e fomos o silêncio
Quero falar-te desse silêncio que se instalou em nós como fronteira
Quero falar-te dum rio sem margens invisível que somos
Quero falar-te de mim
Quero falar-te de ti
Quero
E não sabemos falar
Quero
E não sabemos escutar
Quero
E não sabemos ser
Quero
E não fomos
Quero
E não acontecemos
Quero
E não somos pacientes o suficiente
Quero
E não sabemos amar…
Quero
E não sei o que me aconteceu
Quero
Porque gosto tanto assim…
Quero
E vou a nado até ti na outra margem de mim…


João marinheiro ausente

10 comentários:

Maresi@ disse...

Apenas hoje vi comentario que deixaste no meu blog e venho agradecer tuas palavras. Tenho andado demasiado ocupada com outro e desleixei um pouco este...
Deixo aqui convite
www.brilhoestrelamanha.blogspot.com

Beijo com sabor a Maresi@

Ana Luar disse...

João com um rabo desses quem não lhe quer falar????? rsrsrsr
Dsc mas fiquei deliciada... Mas que rabioske! Bendita a mãe que fez tão bela mulher. Belo o poema... aliás, como já nos habituaste.
Beijos docitos.

Claudia disse...

Como eu gosto João deste teu poema...Não tens noção. Provavelmente, será o que mais me diz até hoje. Se soubesses as vezes que já o tinha lido antes de o publicares?! (bem, agora já sabes!)
Gosto de tudo.
Das palavras.
Da intensidade.
Do significado.
Mas principalmente, do que me fazes sentir ao lê-lo.

Quero falar-te do encantamento, que não é encantamento...
"Quero falar-te de mim
Quero falar-te de ti"

Beijo enquanto me encanto

P.S.Tenho que me pronunciar sobre a foto. Desta vez, c opinião contrária´à da Ana.
A foto é feia. Ponto assente. Seria sempre feia e inócua aliada fosse ao que fosse.
Mas a este teu poema, ainda consegue ser mais vazia e sem conteúdo. Porque estragar um poema tão bonito (e acredita. quando digo tão bonito, é porque é mesmo muito bonito!), com uma foto tão banal sem qualquer interligação com as palavras tão sentidas...

Sutra disse...

Vim navegando por aí e descobri este blog.
Fiquei presa á emoção das palavras aqui escritas de forma tão magestosa...

Mas a imagem... como a Cláudia, eu também acho que não se enquadra de forma alguma... algo mais a ver com as tuas palavras ficaria melhor. Ou então... apenas as tuas palavras, porque elas já criam tantas imagens na nossa imaginação.
Porque as tuas palavras são a peça fundamental, a única importante aqui.
Adorei...

Bj doce

joão marinheiro disse...

Pois a foto...Não posso agradar a gregos e troianos.O resto das palavras ficam comogo e com a Gena...

Caínha disse...

OLá :)))
Tenho umas fotos do almoço para partilhar, mas não tenho o teu mail :(((

Beijinhos

Lanna disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Lanna disse...

Eu falava-te...

A. disse...

...e como se ama por aqui.
hoje encontro tantas cartas de amor,tantas palavras que trazem saudade.um abraço,um beijo...uma mão que se deixa dar por baixo da mesa.Alguém que queira querer.

nada sempre João.ela estará lá.
:)

Sophie disse...

Eu só queria não ser tão ausente no coração de tanta gente...
Queria ganhar um pouquinho de algum chão, sem poeiras da imaginação, queria compreensão, ternura e um pouco de razão. Queria um sorriso, um abraço apertado, sensibilizado. Queria um EU TE AMO de coração...
Eu queria quase nada...
Tão pouco o que nós queriamos...

Adorei o teu blog, vou voltar aqui para te ler mais vezes.
Beijos,
Sophie