quinta-feira, junho 01, 2006

JUNTOS
















Fecham-se as portas dos sonhos
Foges de ti no escuro
O teu silêncio é companhia
O som do compasso no peito
Diz que vives...
Sobreviver?
A ilusão arrasta-se prematura
Rolam areias no deserto
(...Eu sou deserto, tu és deserto...)
Mil sons ecoam no charco
A pedra está lançada agora
O silêncio do vento afaga nossos corpos
Teus cabelos outrora lindos esvoaçam sem vida
A busca é eterna...
Eterna é a morte e o silêncio
O teu silêncio é companhia
Juntos...
De mãos dadas olhos parados no infinito




(...Tristes...)


João marinheiro ausente - Leça da Palmeira Julho 1983
Fotografia Google

4 comentários:

Claudia disse...

E porque gostas dos mesmos livros que eu gosto?
Porquê?

Beijo, ao início de noite (hoje sem vento, sabes, Leça ás vezes não tem vento!)

Ana Luar disse...

Como sempre cheira a maresia.
Gostei desta viagem de emoções a um passado /presente.
Deixo um beijo.

alice disse...

querido lobo do mar

adorei passar por aqui nesta tarde de sexta feira tão ensolarada como as tuas palavras pouco tristes

espero que te encontres bem

um grande beijinho para ti

bom fim de semana

alice

dreams disse...

o sonho aprendeu a pairar
onde o sobressalto nem sequer nasceu
namorou a breve ilusão
até que da minha mão se desprendeu...

as portas dos sonhos nunca se fecham...

um beijo doce *
“·.¸Dreams¸.·”