quinta-feira, abril 17, 2008

VII Carta...


A carta tem quase um ano. Atrasada. Para mim. Foi para a antiga morada, a minha casa esvaziada. Acho que foi um milagre ter vindo ter comigo. Tenho de agradecer ao Zé da Areia. É ele que me trás a correspondência.A carta.É uma carta tua.A tua letra a dizer o meu nome a dizer que é para mim, no remetente só o teu nome a dizer que é tua, a dar-me noticias finalmente. Uma carta a romper as palavras mudas em nós. Todos estes anos de silêncio passados. Releio outra vez a tua letra bonita. Vou abrir. Tremem-me as mãos cansadas, os dedos não obedecem vencidos que estão pela artrite. Dói-me o coração no peito de tanto bater. Andei o dia todo com ela na mão, às voltas, a ver se tinha uma abertura por onde pudesse espreitar sem ser notado, sem a conseguir abrir. Parece que me queima os dedos. Ainda a levei ao nariz, mas era só papel manuseado. Perdeu-se o cheiro das tuas mãos na folha escrita. Porque penso é uma carta escrita. Não sei se abra. Que me queres dizer? Que noticias me trazes três décadas já passadas.– Não! Não vou abrir hoje a tua carta. Vou esperar pelo dia de amanhã, e vou ler-te pela manhãzinha enquanto o sol se levanta e me entra pela janela. Que são 12 horas mais a juntar a oito meses, a juntar a trinta e muitos anos de silêncio nosso.-Nada! Doze horas não são nada, e eu estou demasiado velho para me emocionar pela noite. O coração não aguenta.
Amanhã leio-te.

6 comentários:

Maria disse...

Ai João, e como consegues não ler????
Nem que eu caísse para o lado....

Um abraço forte, com vento a uivar por aqui

Andreia Ferreira disse...

às vezes habituamo-nos tanto ao silêncio que as vozes assustam-nos... Beijinho.

Justine disse...

Nostalgia, ansiedade, desesperança, solidão, tristeza, desistência - tantas emoções que este teu pungente texto nos transmite. Belíssimo!
(e a música ajuda...)

O Sussurrar do Corpo disse...

Hummm tou curiosa depois de tanto tempo, que se podera ter para dizer...tanta coisa não?! Beijo

Bichinho disse...

Tens desafio no PARA TI.
Beijo fantasma.

Ana Luar disse...

Curiosa como eu sou... acho que a carta ainda não tinha chegado já eu andava à procura do carteiro rsrsrsrs


Mas tu... tu consegues... aprendeste a ter calma na espera.