sexta-feira, janeiro 25, 2008

já não sei...


Fazemos de conta que estás ai sentada nessa mesa. O mar está atrás de ti no escuro. É noite, e eu estou a escrever-te uma carta a fingir que falo contigo.

- Olha!


Fazemos de conta que a mesa tem uma toalha branca e flores ao centro e uma vela perfumada acesa a tremeluzir.

Fazemos de conta.

Toco-te a face e fechas os olhos e envolves a minha mão com as tuas tão macias. E eu fico assim preso nas mãos. E fecho também os olhos a imaginar-te.

Já não sei sonhar-te!


João marinheiro 2008
Fotografia de Barcoantigo 2008

10 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

João!

uma vela acesa a tremeluzir, e ao fundo os sons de uma sonata emitidas pelo piano...

vale sempre a pena sonhar,sempre!

Su disse...

façamos de conta....

jocas maradas de mar

mar... disse...

A saudades também faz com que
façamos de conta!...

Um abraço daqui com toda a saudade
de sempre meu querido Poeta.

M. disse...

De qualquer modo, há muito que me dizias que não sonhas.
Eu sonho sempre.

Beijo,barco antigo.

Andreia Ferreira disse...

Mas pareces continuar a saber amá-la!
Beijo :)

Maria disse...

Se já não a sabes sonhar então "faz de conta", João...
...é o que faço, todos os dias.....

Abraço-te, com os olhos cheios de mar(es)

Aninhas disse...

Voltei. Bom dia e bom domingo!

Bichinho disse...

Saudades...beijo fantasma.

Anónimo disse...

Eu sei. Ainda sei.
E sonho por ti.

Ana Luar disse...

Teatral... bem ao jeito de quem sabe.;)