quinta-feira, agosto 21, 2008

o coração todo teu...


Agora que sabes que te amo
O coração todo teu
Para lá do tempo

Envolves-te no manto do silêncio
Eu aqui na angustia da espera
Tardas

Envelheço nas curvas dos dias
Sem memória já
do teu corpo inalcançável
e fico adormecido

este amor
tão doloroso de ausente
como ausente sou sempre
das noticias tuas que tardam

a ausência esse lugar dos destroços
agora que sabes que te amo
o coração todo teu


João marinheiro 2008

2 comentários:

Maria disse...

"este amor
tão doloroso de ausente"....

Um abraço, sempre

M. disse...

a dolorosa familiaridade da palavra que dizias proibida...

beijo