sábado, agosto 16, 2008

Acordo 150 milhas a oeste de nada e o silêncio é sofucante
Abro os olhos no escuro total. O barco parado estático. Tacteio em direcção ao poço e ligo o motor, acento as luzes, carrego as baterias extenuadas, lentamente os instrumentos de bordo iluminam-se, lentamente os visores, os alarmes passam do vermelho ao laranja finalmente ao verde. 14 volts a carregarem as baterias.
35º de temperatura 80% de humidade a escorrer pela pele, irrespirável, o mar um caldeiro onde os meus pecados se expiam. O nevoeiro espesso a assustar
Penso em ti
Se tu me entendesses…
joão marinheiro 2008

4 comentários:

Maria disse...

Conheço essa sensação...

Um abraço, daqui

Pearl disse...

És um valorozo marinheiro!!

beijo

Pearl

sofialisboa disse...

agora sim encontrei o teu blog, volto sofia

M. disse...

Tu queres lá ser entendido Marinheiro :)

És todo turbilhão como um remoinho no mar..

Ou

Talvez te entendam e não o saibas

Beijo