segunda-feira, setembro 17, 2007

Na madrugada lenta...


O facto é que me faltam as tuas palavras aqui na madrugada a corrigirem os erros, a provocarem a explicação. A crescerem por dentro de nós.
Às vezes regressas.
Encontro-te na madrugada lenta e ficas aqui a contar histórias a falar histórias. As nossas vividas. A tentar perceber e separar o sentir do viver, – como se isso fosse possível!

Depois estás sempre a mandar-me sonhar, e tas sempre a dizer-me isso. E eu?
Na maioria do tempo parece que vivo na porta ao lado deste tempo. Se pudéssemos escolher, sonharíamos sempre com aquilo que queríamos na realidade mas não podemos!


João 2007
Fotografia de Cristina Funes

9 comentários:

mar... disse...

Lidíssima a Poesia!

Um abraço com muita saudades
Poeta....

Maria disse...

Se pudessemos os nossos sonhos seriam realidade.....
Às vezes regresso-me...

abraço, daqui

*Marta* disse...

Se pudessemos escolher, seriam apenas regressos. Se pudessemos..

Abraço-te e sorrio porque afinal a paixão sempre esteve em ti ;)

AMMedeiros disse...

Sonhar também é paulatinamente conseguir sair de um pesadelo...

Obrigada pelo apoio e solidariedade.

Um beijo

Bruna Pereira disse...

Não queiras pedir muito o sonho. Ele já nos dá tanto sem lhe pedrimos nada...

:)

Iolanda disse...

João,

O mar leva-te e traz-te. Vezes sem conta.

Um beijo.

I.

Simone disse...

Era tão bom se pudessemos escolher...Cairimos talvez no exagero das repetições...E quem sabe não seria mais fácil esquecer e saturarmo-nos de certas coisas...
Lindas Palavras as tuas.

APC disse...

"Se pudéssemos escolher, sonharíamos sempre com aquilo que queríamos na realidade"...

Meu querido amigo, não sei porquê, esta expressão traz-me o aroma de uma madrugada de reencontro... Lenta... Bonita! :-)

Sonha, rapaz, sonha!!! :-)))
***

tb disse...

o sonho comenda a vida...já o disse o poet. :)
beijo